RESENHA: VERSÃO ILUSTRADA DE HARRY POTTER

Semana passada começou a pré-venda da edição traduzida de Harry Potter e a Pedra Filosofal versão ilustrada e trouxe todos meus sentimentos de amor, nostalgia e gratidão à tona.

No começo desse ano comprei versão ilustrada em inglês. Meu siricutico estava tão grande quando anunciaram há dois anos que essa versão estava sendo produzida, que quando lançou na cultura eu só esperei baixar um pouquinho o preço.

Foi como voltar a minha infância, sair do cinema depois de assistir ao primeiro filme como se tudo o que eu quisesse tinha acabado de ser entregue, a história infantil perfeita. Amor, esperança, amizade, aventura, magia.. Tudo ali, naquela tela gigante!

Primeiro Capitulo, O Garoto Que Sobreviveu.

Eu tinha 9 anos quando o primeiro filme estreou no Brasil. Eu não conhecia os livros, tão logo, as histórias, mas naquele natal eu ganhei o box, ainda com os 4 exemplares. Meu verão foi extremamente atarefado, cheio de páginas para ler, feitiços para aprender, batalhas para travar entre meus primos e eu (eles assistiram ao 1º filme junto comigo), discussões sobre qual seriam nossas casas, quais seriam nossas varinhas, quais seriam nossos animais, qual a nossa aula favorita e óbvio, roubar as verduras e frutas da horta para fazer poções. Como eu disse, um verão atarefado.

Harry Potter significa ao mesmo tempo ingenuidade e amadurecimento. A minha geração deixou de ser ingênua para crescer, para amadurecer junto com os personagens (do cinema). Toda a saga parece que aconteceu logo ali, na cidade vizinha. Os personagens eram a nossa família e melhores amigos, muitas vezes únicos amigos. A saga de Harry não é apenas mais uma dentre as várias já contadas, não. A saga, na verdade, é o que todos que leram, passaram em suas vidas. O inicio em uma nova escola, descobrir quem você realmente é, novos amigos que aceitam quem você é, o amadurecimento intelectual e emocional, o que significa ter a pressão de se tornar alguém grandioso, a perda de um ente querido.

Talvez todo o universo mágico de Harry Potter não exista, mas o universo social, humano, das dificuldades rotineiras existe.

Harry após ver seus pais no Espelho de Osejed, enquanto se escondia na sala de aula abandonada.

Então quando eu vi aquele livro gigante, com o expresso de Hogwarts ilustrado na capa, tudo isso veio à tona. A Isabellinha de 9 anos lendo com a mãe A Pedra Filosofal. A Isabellinha dormindo abraçada com os 4 livros, como se manter os livros grudados ao meu peito faria com que eu sonhasse e acordasse num mundo de magia. E muitas vezes exatamente isso acontecia. Eu me sentia segura, dormindo entre amigos tão amados e que me protegeriam de tudo.

Hoje passo pela mesma ansiedade que passei esperando o 5º livro, o 2º filme, meu primo terminar de ler o 6º livro pra me emprestar, pois era período de férias e estávamos no interior. Mas hoje espero pelo lançamento da versão ilustrada de A Câmara Secreta, como se fosse uma história completamente diferente, o que na verdade é.

“… O homem mais feliz do mundo poderia usar o Espelho de Ojesed como um espelho normal, ou seja, ele olharia e se veria exatamente como é.” Dumbledore

Eu li toda a saga em português e reler em inglês e com as ilustrações de Jim Kay, quem se recusou a se inspirar nos filmes, apenas nas descrições dos livros, é algo extremamente revigorante. As gravuras são vivas e ricas em minuciosos detalhes, colocados para inserir ainda mais o leitor.

Com projeto gráfico sofisticado, o livro, que traz o texto integral de J.K. Rowling, chega às lojas com capa dura, sobrecapa, miolo em papel couché e protegido por uma luva ilustrada meio aveludada. Para cada capítulo há uma ilustração específica, que retrata um ponto chave do que virá. Os personagens não possuem mais aquele aspecto hollywoodiano, são crianças em sua fase de crescimento, ou seja, bem esquisitinhas (como todos nós fomos, nem vem).

Na época do lançamento, Jim Kay deu várias entrevistas dizendo que fazia casting em parques, perguntava para mães se poderia desenhar seus filhos, mas sem dizer para qual fim. Ron foi um ruivinho quem o ilustrador encontrou no metro. Dumbledore se torna alguém muito mais amável e próximo do que havia imaginado quando lia.

Minha ilustração favorita: a Floresta Proibida

Se as edições anteriores já eram dignas de se tornarem heranças, essa nova é, definitivamente, algo para se estar em um testamento e ser passado por gerações. Qualquer criança que aprecie minimamente ler fica deslumbrada com o exemplar grandioso. Nem vamos falar na comoção que causa entre os jovens adultos eu chorando abraçada ao livro quando chegou na última página.

Foram mais de dez anos acompanhando a continuação da saga nos cinemas e sua finalização nos livros. Mais de 450 milhões de exemplares vendidos mundialmente, traduzidos para pelo menos 65 idiomas, o livro número seis da série entrou para o Guinness por ser o livro vendido mais rapidamente na história (mais de 2 milhões (2.009.574) no primeiro dia de venda só no UK), de 1999 a 2006, a editora americana Scholastic faturou 815 milhões de dólares com a série.. E agora todo esse universo está de volta, tanto nos cinemas, com a estreia de Animais Fantásticos e Onde Habitam, quanto com os lançamentos das versões ilustradas. O choro e a leitura são livres.

O quarteto mais amado, Neville, Ron, Harry e Hermione, celebrando a Taça das Casas.

A versão ilustrada e traduzida está R$ 95,60 na pré venda da Saraiva e será lançado 01/06. Clique aqui para obter mais informações.
BÔNUS: o livro vem dentro dessa totebag 💖

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *