Campos do Jordão 

 

foto de Douglas Conde

 

Quando sentamos para conversar sobre qual seria o nosso primeiro roteiro muitas ideias saltaram, mas nenhuma nos confortou. Até pensarmos na cidade onde tudo começou. Onde a nossa amizade começou e as aventuras também. Por isso o primeiro roteiro será dedicado a nossa casa! *joga confete pro alto*

Campos começa a ser um destino muito procurado nessa época do ano por causa das baixas temperaturas, as paisagens que remetem aos países europeus e o Festival de Inverno. E a fama dos preços altos. Como temos por missão dar saídas acessíveis de viagens fizemos -tentamos pelo menos- um roteiro para quem quer visitar essa cidade linda, mas sem voltar chorando pra São Paulo porque terá que arranjar mais um emprego para pagar as contas. Vamos lá!

COMO CHEGAR?

Campos fica à 195 km de São Paulo. De carro é possível ir pela Rodovia Presidente Dutra ou Ayrton Senna (eu prefiro a Senna por não ter tantos caminhões e paisagens sem concreto como a da Dutra). Se você optar por carro, separe uns R$ 13,00 para pedágios, mas se optar por ir de ônibus (saídas do Terminal Tiête – São Paulo), a viação que vai até Campos é a Pássaro Marron -entre outros vários destinos do Vale do Paraíba- e a passagem de ida está em torno de R$ 42,00* e a de volta R$ 40,00*.

*os valores podem alterar.

Porém existem grupos no facebook de carona para Campos (esse), o que pode sair bem mais em conta se decidirem rachar gasolina e pedágio entre quatro pessoas, por exemplo.

foto de Douglas Conde


ONDE FICAR?

Como viajante eu sempre dou uma olhadinha no AirBnB para comparar com preços de hotéis/albergues. Às vezes não vale a pena, às vezes vale muito, só pesquisando mesmo. Eu aconselho buscar lugares próximos ao centro, já que os estacionamentos lá são mais caros que na Paulista, então procure pousadas ou hotéis que dê para ir a pé ou de táxi. Até onde sabemos não há albergues em Campos, mas em uma cidade com mais de 150 pousadas e hotéis, opções de onde ficar não será um problema.
Se você for em galera talvez a melhor opção seja alugar uma casa, procure no Alugue Temporada.

Falando em pousada, os leitores do blog ganham 10% de desconto nos pacotes da Pousada da Lua! Fica bem próxima do centro, tem café da manhã (maravilhoso), wi-fi e estacionamento já inclusos no pacote, então dá pra deixar o carro na pousada e ir a pé para o centro. O pessoal de lá sempre dá ótimas dicas dos eventos que estão acontecendo na cidade e passeios.

ONDE COMER?

Como em qualquer lugar, o centro turístico é sempre mais caro, por isso tente fugir de refeições ali. Mas se quiser reservar parte do orçamento para uma noite especial no Capivari, aconselhamos um rodízio de fondue no Krokodilo ou no Avestruz, são maravilhosos. O Rodízio é composto por três “rounds”, o primeiro de queijo acompanhando pães, o segundo de carne com vários cortes para serem fritos e por último o de chocolate acompanhado de frutas, por R$ 62,00 por pessoa. Se prepare para comer MUITO.

Quanto às opções de almoço, prefira achar um restaurante no bairro Jaguaribe, o centro comercial de Campos. Lá existem opções ótimas de restaurantes com comidas caseiras (com toque mineiro) e preços bem menores do que no Capivari. Se você estiver com um sapato confortável e for adepto à caminhadas, vá a pé. É bem bonito e tem calçada para corrida e bicicleta ao longo do circuito, e você vai caminhando ao lado dos trilhos do bondinho. <3

Já em Abernésia, existem algumas opções de fast-food e o Mercadão da cidade com várias banquinhas lá dentro, vale a pena visitar para conhecer um pouco mais da história de Campos.
Durante a temporada, o shopping Market Plaza oferece algumas opções na sua praça de alimentação, vale a pena conferir.

 

foto de Douglas Conde


O QUE VISITAR?

Falando em bondinho, uma alternativa para não pagar os R$ 60,00 do passeio é fazer de carro ou visitar alguns espaços turísticos que possuem a mesma vista ou até melhor, são eles:

Amantikir Garden: um jardim planejado lindíssimo, você vai se sentir dentro de um sonho! E a vista das montanhas do Vale é de ficar besta e não querer mais parar de olhar! Custa R$ 25,00 a inteira e R$ 15,00 a meia.

Truta Azul: é um pesqueiro, mas se você não é fã de pescaria ainda vale a pena pelo lugar charmoso e os tanques e lagos de trutas. Tem como alimentá-las e é um passeio ótimo para crianças. Fica bem próximo do Amantikir. R$ 10,00.

Pedra do Baú: recentemente o acesso foi fechado para carros, permitindo apenas caminhadas e trilhas. Se você gostar de passeios assim, vale muito a pena a caminhada até o topo da Pedra, a vista de lá é deslumbrante e a paz nem dá para descrever. Do estacionamento até o início da trilha dá uma caminhada de 15 minutos, a partir desse ponto você pode escolher ir para o lado sul (30-45 mins.) ou para o lado norte (45 mins à uma hora).

foto de Douglas Conde

 

Existe um restaurante próximo à Pedra que possui um buffet maravilhoso e em conta, mas o acesso até lá pode ser complicado para quem não tem carro ou com carro baixo. Eles também oferecem várias atividades de eco-turismo, é bem legal (são pagas). Entre em contato antes sobre preços para grupos e variações da baixa para a alta temporada.

Fábrica da Baden-Baden: quem já foi pra Campos ou pesquisou antes de ir sabe da Cervejaria Baden Baden, que começou pequenininha lá em Campos, hoje é vendida em vários lugares do Brasil e já ganhou vários prêmios internacionais por seus rótulos. Tem o bar resturante da Baden (que vive lotado e é uma facada) bem no coração do Capivari, mas se você quiser fugir disso, experimentar o chopp deles e mais outros rótulos, faça uma visita à fábrica. A entrada é R$ 15,00 e inclui um tour com explicação do processo e degustação. Quando você sair, se tiver gostado de algum rótulo, compre na lojinha da fábrica, o preço é mais em conta do que dos supermercados e BEM mais em conta do que no bar do centro. Minhas favoritas são a Witbier (cerveja bem suave com casca de laranja) e a Golden (frutas vermelhas, também suave). Eu aconselho fortemente que você ligue um mês antes para agendar sua visitação, visto que a cervejaria é um ponto muito procurado e na maior parte do tempo não tem como visitar sem um agendamento.

Fábrica de Chocolate Araucária: quem é apaixonado por chocolate provavelmente terá um colapso ao ver aqueles caldeirões cheio de chocolate derretido, aquelas bancadas com chocolate espalhado enquanto um funcionário faz as famosas ramas, o cheiro e o quentinho que só um lugar lotado de chocolate pode produzir (babei aqui no teclado, só um minuto). A visitação é gratuita e você terá contato com a história e o processo de fabricação dos chocolates tradicionais da cidade.

Bosque do Silêncio: uma opção free e linda de passeio. Esse bosque fica bem pertinho do Centrinho e provavelmente muitas pessoas passam batidas por ele, já que sua entrada é pequena e sem grandes anúncios. Se trata de um circuito fechado e muitos jordanenses o vistam para atividades físicas ao ar livre por ser bem calmo, cercado de árvores, com lagos no meio e bichinhos silvestres (tem uma trilha só de esquilos <3). Se você for, vá de tênis e tente não perturbar a natureza, vá para ficar em paz, tirar fotos lindas e respirar ar puro.

 

foto de Douglas Conde

 

Morro do Elefante: são duas opções para chegar até o topo, a primeira é pelo teleférico, que custa R$ 10,00 (R$20 na alta temporada) e a segunda, de carro, seguindo as placas indicativas. Se você optar pela segunda a entrada é franca uma vez lá no topo. A vista lá de cima é linda e vale a pena a experiência do teleférico (só não para quem tem medo de altura). Como Campos não é uma cidade grande –muito pelo contrário- do mirante você consegue ter uma visão linda da cidade e a melhor hora, para mim, seria ao pôr do sol, assim você ainda vê a cidade clara e depois com todas as luzes acesas.

Pico do Itapeva: recentemente foi fechado, logo, não dá para se ter a vista privilegiada do Vale do Paraíba (era possível identificar algumas cidades), porém antes de se chegar ao pico existe um lago bem calmo que alguns costumavam pescar. Hoje em dia abriram uma tirolesa no lugar e tiraram toda a paz, mas ainda é um lugar lindo para se visitar e ter uma visão reduzida do Vale, em comparação com a do pico.

 

foto de Douglas Conde

 

Antes também existia uma feirinha onde os preços eram menores do que em Campos do Jordão, já que o Pico do Itapeva está na verdade dentro do município de Pindamonhangaba (sim, Pinda existe, o Raul Gil não é louco) então os impostos praticados eram menores. A feirinha foi transferida para o Capivari, bem próxima ao teleférico na verdade (não é a que está na calçada), ela está alguns metros para a frente, dentro de um terreno próximo ao ponto de ônibus.

Museu Felícia Leiner: um dos meus lugares favoritos em Campos, pela tranquilidade, vista e caminhos. É considerado um dos maiores museus ao ar livre do mundo, com esculturas doadas pela escultora polonesa. É possível avistar a Pedra do Baú e eles até montaram um mini hangar para fotos melhores. É realmente lindo. A entrada é franca e vá com sapatos confortáveis. Durante o Festival de Inverno de Campos, algumas apresentações acontecem na concha acústica do museu e outras apresentações são feitas no Auditório Cláudio Santoro, ao lado do museu (a entrada é a mesma para os dois).

 

Bella Alves Garcia

Ducha de Prata: outro passeio free, mas com opções de compras. São várias lojinhas com uma variedade de produtos artesanais (Campos é praticamente inteira artesanal). São pontes que passam perto das quedas d’água, então tome cuidado para não escorregar na madeira –dica de quem já foi dar uma de Crocodilo Dundee e quase atravessou vazada-. Vá explorar o local com segurança, mas explore. São várias grutinhas e jardins fofos,mental não tenha medo, só se segure bem e não use um sapato de salto alto que você estará bem :).

Palácio do Governo – Palácio da Boa Vista: é a humilde residência de ~férias~ oficial do Sr. Governador. Fica aberta para visitação de quarta à domingo, mas umas duas vezes eu já fui e eles disseram que estava fechada *sorrisinho cínico*. O acervo do Palácio é de encantar, com obras de Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Cândido Portinari e Anita Malfatti, e dentro da Capela de São Pedro há o acervo de arte sacra da época colonial do Brasil. Bem branco, bem colonizador, bem história do Brasil ❤️.

foto de Douglas Conde

 

ONDE COMPRAR?

Bom, como somos um blog da grana curta, não direi para você sobre as centenas de opções de lojas caras que há em Campos, muito menos para você reciclar seu guarda roupa lá. Mas se você quiser comprar lembrancinhas, artesanatos e algumas peças de roupa para se aquecer, existem alguns lugares. Um já mencionei, a Feirinha do Pico do Itapeva, que agora fica no Capivari. Lá você encontra peças de roupas de malha, lã e de coisas que deixem a roupa quentinha.

Meu lugar favorito para comprar chocolate, ironicamente é bem no centro e não numa fábrica. A Spinassi tem três lojas se não me engano, mas oferecem preços diferentes, a mais em conta é a que fica na galeria em frente à estátua do cavalo de bronze gigante (decore esse ponto porque os jordanenses o usam muito). Tem uma variedade grande de chocolates, queijos e doces caseiros para montar o seu próprio kit.

Para uma opção maior de lembrancinhas, as lojinhas da Ducha de Prata são lotadas de artigos de madeira, cerâmica e afins. Eu aconselho dar uma pesquisada nos valores das galerias do Capivari antes de comprar na Ducha, para ter certeza do melhor preço.

foto de Douglas Conde

 

Campos é uma cidade singular em São Paulo e oferece atrativos para todos os tipos de turistas. Se você procura balada, durante o festival de inverno as melhores casas de São Paulo se mudam para a Serra. Se você procura romantismo, o clima favorável e toda a culinária inspira os casais. Se você quer turismo ecológico e de aventura, Campos proporciona dezenas de trilhas pelos seus parque ecológicos, com modalidades diferentes (até existe uma arena de paint-ball na mata -procure no Altus-). Se você é fã de música clássica, jazz e musicais, durante os meses de junho, julho e agosto a Cia. Filarmônica de São Paulo apresenta concertos e em locais diferentes. Se esse destino está na sua lista, se prepare para se apaixonar.

Esse foi o primeiro roteiro que montamos e ainda estamos adaptando um formato, mas esperamos que tenham gostado. Qualquer dúvida ou sugestão, deixe seu amor aqui em baixo nos comentários.

Nos vemos em breve!

 

foto de Douglas Conde

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *